Cinimose Aqui não!

Regras pra seguir na hora de dar comida pro seu cão
28 de outubro de 2015
Passeio saudável! Confira algumas dicas para não se preocupar com o pet durante as saídas
20 de novembro de 2015

Cinimose Aqui não!

Durante toda a nossa vida estamos expostos a bactérias, vírus e parasitas que podem causar doenças, algumas das quais graves e até fatais.

Nossos animais de estimação também estão expostos aos mesmos riscos. E ninguém conhece melhor seu cachorro do que você pra saber quando ele não está se sentido bem. Entender seu papel na manutenção da saúde de seu cachorro é a melhor forma possível de afastar as ameaças mais comuns ao seu bem-estar.

Conversando com seu veterinário você pode verificar a melhor forma de prevenir e controlar possíveis riscos, desenvolvendo um programa completo para a saúde de seu melhor amigo.

A cinomose é uma doença em cachorros:

  • sistêmica, ou seja, pode atingir vários órgãos
  • altamente contagiosa
  • causada por um vírus
  • frequentemente leva à morte cachorros filhotes e adultos

Lembre-se de que um cachorro doente pode manifestar apenas sinais digestivos ou respiratórios.

Qualquer cachorro, em qualquer idade, pode ser contaminado com cinomose de diferentes formas.

O vírus é transmitido entre um animal doente e outro susceptível. Alguns animais doentes podem estar assintomáticos (ou seja, estarem com a doença, mas não apresentarem seus sintomas) e passar a doença para outro sadio por meio de secreções (nasais, fezes etc).

Uma forma comum de contaminação ocorre em canis, onde os animais frequentam os mesmos locais e animais doentes podem ter contato com outros saudáveis ainda não vacinados. É muito importante isolar animais doentes para tratamento, ou ainda ter o cuidado de isolar animais que se tenha desconfiança de que possam estar incubando a doença e, mesmo ainda sem sintomas, servir de fonte de infecção para outros cachorros.

Os primeiros sintomas da cinomose são:

– Perda de apetite

– Apatia

– Febre

– Secreção no nariz e olhos

– Tosse e Espirro

– Vômito e diarreia

– Falta de coordenação

 

O tratamento, após diagnóstico de cinomose confirmado por exame de laboratório, pode ser bem difícil.

O cachorro doente deve ser isolado para receber tratamento de apoio e antibióticos para auxiliar no combate a infecções secundárias. Por se tratar de um vírus, não há um medicamento específico para o tratamento da cinomose, o que torna sua cura mais difícil.

Filhotes não têm bom prognóstico de recuperação, com taxa de mortalidade bem alta. O tratamento de apoio é feito com a reposição de líquidos perdidos durante a doença, além de oferecer um ambiente limpo e com temperatura agradável.
Se a cinomose evoluir para os estágios finais sem que o cachorro receba tratamento, pode haver danos neurológicos difíceis de tratar, sendo que o veterinário pode sugerir o sacrifício do animal.

Lembre-se de que cachorros que estejam em tratamento podem continuar a espalhar o vírus por várias semanas, mesmo depois do desaparecimento dos sintomas.

A prevenção é a melhor arma contra este mal em cachorros. Infelizmente, no Brasil apenas 1 em cada 5 cães é vacinado contra a cinomose anualmente. Porém, programas de vacinação em massa podem reduzir drasticamente a incidência dessa doença.

Consulte sempre seu veterinário. Ele é a melhor pessoa para determinar o programa de vacinação ideal para seu animal de estimação.

 

fonte: http://www.cinomose.com.br/

Os comentários estão encerrados.